51 32204000 POA
54 32145500 Caxias
47 30324600 Joinville
Seg a Sex: 9h - 18h

Pessoa Jurídica



2.1.= DESCONTO DE TÍTULOS , DUPLICATAS/CHEQUES  E RECEBIVEIS DE CARTÕES DE CREDITO

Utilizado para obter recursos através de antecipação de valores a receber (normalmente duplicatas, cheques e faturas de cartões de crédito), originários de vendas a prazo realizadas pelos clientes (os “cedentes”). Nestas operações, o cliente entrega os recebíveis para o Banco relacionado em um "borderô" (que é o contrato), o qual desconta os juros da operação (título a título, conforme o prazo de cada um) no ato da liberação dos recursos - por isto o nome "Desconto de Títulos". O pagamento da operação é efetuado pelos "sacados" (os clientes do nosso cliente) dos títulos. Caso os títulos não sejam liquidados pelos sacados nos seus vencimentos, e transcorrido um determinado prazo sem que ocorram seus pagamentos, o cedente deverá reembolsar tais valores para o Banco.


2.2.= CONTA DEVEDORA

É um limite de crédito disponível para saques até o valor contratado, mediante a movimentação normal da conta-corrente. Os juros são calculados sobre os saldos devedores diários, e cobrados mensalmente.


2.3.= CAPITAL DE GIRO

Crédito para livre utilização do cliente, sem destinação específica, normalmente utilizada para reforço do capital de trabalho, e com esquema de amortizações variáveis conforme a conveniência do cliente e do Banco. Em teoria, deve ser um recurso de curto prazo destinado a financiar ativos operacionais do cliente, como vendas a prazo ou estoques. Na prática, é comum observar que os clientes utilizam-se destas operações para cobrir deficiências permanentes de capital próprio ou complemento de investimentos não financiados por outras transações, às vezes com prazos mais longos.


2.4.= RESOLUÇÃO 3.844

É uma modalidade de empréstimo em moeda estrangeira, originado a partir do repasse de recursos captados pelo Banco no exterior, creditados ao cliente em moeda nacional indexada à variação cambial.

Operações com “funding”, sem destinação específica normalmente utilizada para reforço de capital de giro.


2.5.= VENDOR

Operação destinada ao financiamento das vendas a prazo de produtos não destinados a consumidor final, na qual o Banco libera o valor da venda à vista para o cliente e recebe o valor a prazo (incluindo juros) dos clientes do nosso cliente (os sacados). Também é uma operação para reforço do capital de giro.


2.6.= COMPROR

Operação destinada a financiar a compra de matéria-prima dos nossos clientes junto a seus fornecedores. Neste caso, o Banco libera os recursos diretamente para os fornecedores e recebe o pagamento da operação junto ao próprio cliente. Também é uma operação para reforço de capital de giro.


2.7.= CDC

É a sigla para "Crédito Direto ao Consumidor", utilizada tanto por pessoas jurídicas quanto físicas para o financiamento da aquisição de bens duráveis, portanto, apresenta uma destinação específica não sendo utilizada para reforço de capital de giro.


2.8.= CDCI

É a sigla para "Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência". É uma operação utilizada por redes varejistas para financiamento das vendas a prazo de seus produtos destinados ao seu cliente consumidor final. Na qual o Banco libera o valor da venda à vista para o lojista (nosso cliente), e financia o valor a prazo (incluindo juros) para os clientes do nosso cliente. No entanto, o Banco recebe as parcelas do financiamento por intermédio do próprio lojista (o próprio cliente lojista que efetuou a operação), por isto o nome "com interveniência".


2.9.= LEASING

Operações destinadas à aquisição de veículos, máquinas e equipamentos, tanto por pessoas jurídicas quanto físicas, pelas quais o banco adquire os bens financiados (sendo o seu proprietário) e arrenda-os para o cliente, com “funding” próprio do Banco.


2.10.= ACC – ADIANTAMENTO SOBRE CONTRATO DE CÂMBIO

Forma alternativa de Capital de Giro concedida exclusivamente a clientes exportadores, em condições mais favoráveis à forma convencional. Consiste na concessão de financiamento à exportação na fase anterior ao embarque dos produtos ao exterior, mediante fechamento de Compra Futura de Câmbio de Exportação. O prazo máximo é de 360 dias. Os encargos, pré-fixados, têm como referência o custo de linhas de crédito obtidas junto a banqueiros no exterior - pré-export. A operação é indexada em moeda estrangeira, portanto sujeita à variação cambial.


2.11.=ACE – ADIANTAMENTO SOBRE CAMBIAIS ENTREGUES

Semelhante ao ACC consiste na concessão de financiamento à exportação na fase posterior ao embarque dos produtos ao exterior. O prazo máximo é de 360 dias a contar do embarque da mercadoria. Por se constituir, também, em “adiantamento de exportação” a operação é indexada em moeda estrangeira e, portanto, sujeita à variação cambial. Os encargos, pré-fixados, têm como referência o custo de linhas de crédito obtidas junto a banqueiros no exterior – pré-export -, variando de acordo com o prazo, modalidade da exportação (carta de crédito, cobrança, ordem de pagamento, etc.) e país de destino.

Se originado de um “ACC”, a formalização se dará pelo aproveitamento do mesmo contrato de câmbio, ajustando-se o prazo final para liquidação. Se não houver ACC prévio, a formalização se dará através de um Contrato de Compra Futura de Câmbio de Exportação – padrão BACEN – e da entrega simultânea dos documentos de embarque originais, capeados por cambiais ou carta de crédito.

A liquidação se dará pelo ingresso no país das divisas correspondentes ao pagamento da exportação no exterior.

Em termos de risco para o banco, o ACE representa menor risco pelo fato de já ter sido realizada e comprovada a exportação correspondente, restando apenas seu pagamento no exterior.

Na eventualidade de não ocorrer o pagamento da exportação no prazo avençado, o contrato de ACE deverá ser transferido para a Posição Especial junto ao BACEN, devendo os reais adiantados serem devolvidos ao banco, acrescidos da variação cambial e encargos atualizados, cabendo ao exportador providenciar no protesto das cambiais no exterior, início de ação judicial contra o importador ou retorno da mercadoria ao país.


2.12.=PRÉ-PAGAMENTO DE EXPORTAÇÃO

A exemplo do “ACC”, visto anteriormente, consiste na tomada de capital de giro para financiar a produção para exportação. A particularidade é que se destina à antecipação de um Programa de Exportações por período superior a 360 dias, e os recursos serem tomados diretamente de banqueiros no exterior, no nosso caso, no Banco Continental S.A.E.C.A.

A formalização se dá através de um Contrato de Pré-Pagamento de Exportação firmado entre o cliente exportador e o Banco Continental S.A.E.C.A, e de fechamento de Contrato de Compra de Câmbio “pronto”, com o NBC Bank, no dia do desembolso.

Os encargos podem ser pré ou pós-fixados (base LIBOR), dependendo do prazo final da operação, devidos em moeda estrangeira.

Considerando que tais operações estão sujeitas a registro no Banco Central do Brasil, estamos habilitados a providenciar no registro competente – ROF – em nome do exportador.

A liquidação da operação ocorre pelo pagamento das exportações respectivas diretamente ao Banco Continental S.A.E.C.A., nos prazos estabelecidos, podendo a cobrança das cambiais ser executada por nosso intermédio.


2.13.= GARANTIAS INTERNACIONAIS


Destinam-se a garantir operações comerciais e financeiras de nossos clientes com seus pares no exterior, nas seguintes modalidades:

a) Carta de Crédito para Importação de Mercadorias:

Auto explicativo. Invariavelmente requer confirmação no exterior, situação em que utilizamos Linhas de Crédito de nossos correspondentes.

A rentabilidade da operação é proporcional ao risco que o cliente representa para o banco. A média de mercado situa-se ao redor de 1,5% a.a. A formalização se dá através de um Contrato de Abertura de Carta de Crédito para Importação de Mercadorias.

A liquidação da carta de crédito se dá pelo pagamento da importação por ocasião do recebimento dos documentos de embarque, através de fechamento de Venda de Câmbio “pronto”.

É importante destacar que somos debitados no exterior por ocasião da apresentação dos documentos de embarque ao nosso correspondente.

Alternativamente, podemos emitir Cartas de Crédito diretamente do Banco Continental S.A.E.C.A., mediante Stand By do NBC Bank. Nesse caso, a operação ficará registrada nos livros do Banco Continental S.A.E.C.A.

b) Stand By, Bid Bond, Performance Bond, Avais e Fianças Internacionais:

Destinam-se a garantir operações comerciais por períodos pré-definidos, participação em concorrências públicas, garantia de fornecimento e garantia de empréstimos do exterior.

A formalização se dá através de Contrato de Prestação de Garantia Fiduciária. A rentabilidade dessas operações assemelha-se a das Cartas de Crédito de Importação.


2.14.=FINANCIAMENTO DE IMPORTAÇÃO = FINIMP


Destina-se ao financiamento ou refinanciamento de importação: pagamento à vista ao exportador estrangeiro para pagamento a prazo no Brasil, com utilização de Linhas de Crédito de Banqueiros, ou de organismos internacionais, p.ex. EXIMBANK.

São operações indexadas em moeda estrangeira, geralmente Dólares ou Euros, dependendo do banqueiro financiador.

Não há prazo definido. Geralmente são operações acima de 180 dias até 3 anos. Até 360 dias os encargos são prefixados. Acima, são referenciados em LIBOR ou EUROLIBOR.

As importações a Prazo conduzidas sob a modalidade Cartas de Crédito são propícias a enquadramento nessa modalidade, embora importações na base de Cobrança a Prazo, também possam ser enquadradas.

As operações acima de 360 dias estão sujeitas a registro no Banco Central do Brasil. Estamos habilitados a providenciar no registro competente – ROF, em nome de nossos clientes importadores.


2.15.= EMPRÉSTIMOS EXTERNOS – LEI 4131

Empréstimos externos diretos, de médio e longo prazo, destinados a financiar capital de giro ou investimentos. Trata-se de um produto diferenciado, ocupando posição de destaque em nosso portfólio, implementado através do Banco Continental S.A.E.C.A. e gerido pelo NBC Bank.

Pela sua natureza, é direcionado a empresas do segmento Corporate.

Os prazos variam de acordo com a necessidade do cliente, tendo por base seus projetos de investimentos, planejamento estratégico, projeções econômico-financeiros e fluxo de caixa. Preferencialmente, devem ter prazo médio superior a 720 dias,

Os encargos podem ser pré ou pós-fixados, dependendo do prazo da operação.

A formalização do empréstimo se dá através de um Contrato de Empréstimo em Moeda Estrangeira nos Termos da Lei nº 4131, indexado em dólar dos Estados Unidos, e de fechamento de venda de câmbio “pronto” com o NBC Bank, por ocasião do desembolso.

As operações dependem de registro prévio no Banco Central do Brasil. Estamos habilitados a providenciar no competente registro – ROF, em nome de nossos clientes.


2.16.= NCE – NOTA DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO

Esta operação destina-se ao financiamento às empresas exportadoras, para fabricação de produtos destinados exclusivamente à exportação, sendo vedada a utilização dos recursos em investimentos fixos. Constitui-se, também, em alternativa a operações de ACC, pelo fato de não implicar em fechamento de câmbio em épocas de taxa de câmbio desfavorável.

Deverá ser apresentado pelo emitente um orçamento, que assinado pelas partes será integrante da NCE, detalhando a aplicação dos recursos.

A operação é isenta de IOF, desde que o orçamento apresentado na origem seja rigorosamente cumprido.

A falta de comprovação da utilização dos recursos, no prazo estabelecido pelo Banco, descaracteriza o objetivo da operação, acarretando a cobrança de IOF, multas e encargos.

A exportação não precisa ser comprovada ao Banco, porém, a empresa emitente da NCE deve ser reconhecidamente uma exportadora. O Banco deve ter o cuidado de verificar se as exportações da emitente são compatíveis com o valor da NCE.

Sempre que houver garantias reais na operação, será emitida uma CCE - Cédula de Crédito à Exportação, em lugar de NCE.


2.17 = PAGAMENTO DE SALARIOS

A conta-salário é um tipo especial de conta de registro e controle de fluxo de recursos, destinada a receber salários, soldos, vencimentos e similares. Pode ser aberta somente na instituição financeira que processa a folha de pagamento e a pedido do empregador. Essa conta não admite outro tipo de depósito além dos créditos da entidade pagadora e não é movimentável por cheques